10 filmes sobre educação para repensar sua escola

7 de outubro de 2016 | sem comentário | Categoria(s): Educação, Tecnologia no Ensino

Tempo estimado de leitura: 6 minutos (1236 palavras, 7169 caracteres)

Não são só os livros que abrem nossas mentes. Na nossa cultura midiática, o audiovisual ganha cada vez mais espaço e não se pode negar seu poder para disseminar ideias e despertar emoções. O tema educação já foi explorado em grandes obras da sétima arte, ultrapassando épocas e gêneros.

 

Quem sabe esse feriado do dia das crianças não é a oportunidade perfeita para dar uma remexida nas ideias de forma divertida? Dá para inclusive chamar os pequenos para o programa, de preferência com muita pipoca!

 

O artigo de hoje destaca 10 filmes, que vão da comédia ao drama, abordando situações de vulnerabilidade social ou deficiência física. Nossa seleção toca nos principais pontos que intrigam e desafiam educadores em todo o mundo, apelando à emoção e também invocando a razão.

1 – Sociedade dos Poetas Mortos

 

Responsável por popularizar frases como “Carpe diem” e “Oh Capitão! Meu Capitão!”, esse filme de 1989 com Robin Williams no papel principal trouxe para a mesa temas extremamente delicados, como autoridade, expectativas familiares, suicídio e lealdade. O elenco excepcional e o roteiro ganhador de oscar exploraram as problemáticas com sensibilidade, humor e maestria. Se você ainda tem dúvidas sobre a importância da poesia na formação humana, aqui está a resposta.

 

 

2 – Escola de Rock

 

Desta vez o professor é Jack Black! Já sabemos que vem muita confusão por aí, não é mesmo? Mas talvez ele esteja passando dos limites ao tentar transformar uma turma primária em uma banda de rock. Ou talvez isso seja exatamente do que eles precisem…

 

Com uma trilha sonora para dinossauro do rock nenhum botar defeito, esse filme de 2003 acabou gerando um musical na Broadway, um reencontro dez anos depois e uma série de TV. Mesmo com todos os absurdos próprios das comédias mais escrachadas, não dá para negar que o conceito colou.

 

 

3 – Escritores da Liberdade

 

Latinos que odeiam asiáticos que odeiam negros e assim por diante, em um ciclo de ódio que se perpetua por gerações. Essa é a turma que Erin Gruwell, interpretada por Hillary Swank, encontra em seu primeiro emprego. Além da constante tensão racial, o filme explora a carência de recursos para professores que desejam implementar mudanças, os impactos dos grandes sacrifícios nas relações pessoais e o poder da expressão como ponte para o autoconhecimento e confiança. Baseado em uma história real, essa produção de 2007 mostra na prática que ninguém é incapaz de aprender.

 

 

4 – Primeiro da Classe

 

Brad Cohen queria ser professor, em suas próprias palavras “o professor que ele nunca teve”, mas foi rejeitado por 24 escolas. O motivo: síndrome de Tourette, uma doença que lhe provocava tiques e lhe fazia emitir ruídos involuntariamente desde os seis anos de idade. Esse filme de 2008 conta sua história, revelando o que ele fez quando finalmente recebeu a chance de pôr à prova seu potencial.

 

 

5 – Ao mestre com carinho

 

Esse clássico de 1967, com Sidney Poitier no papel de “mestre”, estabeleceu vários parâmetros para as outras produções com a mesma temática que viriam a seguir, entre eles o conflito étnico, a hostilidade inicial e a abordagem diferenciada. A canção “To sir, with love”, cantada por Lulu, se tornou uma referência constante de admiração pelos educadores, sendo regravada em português por Eliana para a trilha sonora da versão de 2012 da novela Carrossel.

 

 

6 – O Milagre de Anne Sullivan

 

O desafio representado pela educação de Helen Keller parecia insuperável. Surda e cega desde os 19 meses de idade, a jovem havia se tornado violenta. Mas Anne Sullivan, também com um histórico de cegueira, enfrentou todas as dificuldades e superou qualquer expectativa, ensinando a Helen primeiro a linguagem de sinais, e mais tarde a falar por meio da leitura labial por tato. O companheirismo entre as duas perdurou por 49 anos.

 

Essa emocionante história já foi contada em diversos formatos, sendo uma das versões mais celebradas o filme de 1962, pelo qual as atrizes Anne Bancroft e Patty Duke receberam, respectivamente, os prêmios Oscar de melhor atriz e melhor atriz coadjuvante.

 

 

7 – Mentes Perigosas

 

Usando karatê e letras de Bob Dylan, Michelle Pfeiffer é Louanne Johnson, uma ex-militar que promete mudar as vidas de um grupo de jovens de uma comunidade violenta. E para ela, missão dada é missão cumprida. Lançado em 1995, esse filme reflete perfeitamente a época e o local no qual se passa, com a trilha sonora, recheada de hip hop e rap, permanecendo como um ícone daquela geração.

 

 

8 – O Substituto

 

Do mesmo diretor de “A Outra História Americana”, esse filme traz tons mais escuros do que os demais nessa lista. Não que os outros não tratem de questões tão densas quanto, mas aqui a perspectiva é claustrofobicamente individual: somos bombardeados pelas consequências das escolhas pessoais e pela maneira com que elas são determinadas por traumas e medos.

 

“Quem vigia os vigilantes?” questiona a antiga máxima. Aqui a questão é reformulada para “Quem ensina o professor?” ou “Quem consola o ombro amigo?”. Nas duras palavras de uma das personagens para o substituto: “Você parece ter mais problemas do que eu”.

 

 

9 – Entre os muros da escola

 

Ao tratar de problemas tão semelhantes aos que vemos acontecer no Brasil e assistimos nos filmes americanos, esse filme francês de 2008 causa uma sensação de universalidade das questões educacionais. Talvez a solução também ultrapasse fronteiras?

 

O autor do romance autobiográfico por trás dessa história interpreta a isso mesmo nesse vencedor da Palma de Ouro. Descrito por críticos como “uma fatia de realidade”, temos adolescentes interpretando a si mesmos em um recorte do que acontece entre as paredes de uma instituição de ensino.

 

 

10 – Mr. Holland – Adorável Professor

 

“A vida é o que acontece a você enquanto você está ocupado fazendo outros planos”. Essa frase da música Beautiful Boy, de John Lennon, resume com maestria a ideia por trás dessa produção de 1995.

 

Glenn Holland tem dois objetivos: compor uma obra-prima musical e constituir família. Ambos os projetos são afetados por circunstâncias fora de seu domínio e se harmonizar com a realidade à sua volta acaba sendo o maior desafio e a conquista mais plena.

 

 

 

Leia mais
– 7 palestras que podem transformar a sua visão sobre educação
– 6 segredos para alcançar um bom rendimento escolar

 

Caso ache algum desses filmes tão legal que precise compartilhar com sua escola, a dica é enviar o link do trecho ou trailer para os pais, pedindo a opinião deles sobre a exibição para os alunos e ampliando a discussão para além dos muros da instituição, como muitos dos heróis dessas histórias fizeram. Se quiser, conte para nós também qual foi o filme que mais transformou a sua visão em relação à educação.

 

atendimento ClipEscola

 


Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of