Skip to content
Tecnologia no ensino

COMPARTILHE

19 de outubro - 2020

Como usar tecnologia no ensino diário depois que a pandemia acabar

Tempo estimado de leitura: 7 minutos (1335 palavras, 7845 caracteres)

Você imagina a sua escola sem tecnologia depois do fim da pandemia? Parece até estranho conceber esse cenário, não parece? Tudo voltando ao papel, ao offline, sem computadores, sem a resposta rápida que o meio digital fornece… só que não! A evolução só vai para frente, ela não dá ré. A pandemia impulsionou o uso massivo da tecnologia no ensino, mas uma vez que essa realidade se instalou na rotina de todos, é impensável projetar um futuro para a educação com os mesmos olhos do passado. 

 

É claro que as necessidades quanto ao emprego da tecnologia vão mudar. Atualmente a tecnologia supre a demanda de ensino a distância. Em breve, será imprescindível para o ensino híbrido visando o distanciamento social. Mas e depois? Depois ela terá outros usos, será adaptada ao dia a dia da “nova normalidade”, e certamente nunca mais entrará pela porta de trás de nenhuma escola. A área dela agora é VIP!

 

Confira alguns possíveis usos da tecnologia no ensino em um cenário pós-pandêmico:

 

Aulas de reforço online

 

Agora que os professores e os alunos já estão feras em aulas virtuais, por que não continuar usando-as para as aulas de reforço da escola? Por não exigir deslocamentos, é bem provável que as aulas de reforço nesse formato ganhem bem mais adesão, o que é muito positivo. Há alunos que até sentem menos vergonha de participar e de tirar dúvidas quando há uma tela entre eles e as demais pessoas que estão na sala.

 

A escola pode aproveitar as salas virtuais que já usa hoje no EaD para testar essa possibilidade. Se o resultado for positivo, é só continuar com a prática como um processo oficial da instituição. O que você acha da ideia? Se gostou, o ideal é aproveitar que a sua escola já está no ritmo e aplicá-la já no início do pós-pandemia, para nem dar chance desse insight acabar indo parar na gaveta!

 


Sala de aula invertida

 

Certamente você já ouviu falar do método de aprendizagem ativa chamado “sala de aula invertida”. Consiste em o aluno estudar previamente o conteúdo que será trabalhado em aula, para que depois possa debatê-lo ativamente em sala junto com os colegas e o professor. O método, que já era conhecido, ganhou ainda mais destaque na pandemia, quando as escolas se abriram a experimentações.

 

Na normalidade pós-pandêmica é provável que o método continue sendo empregado por muitas escolas. Agora que os professores já se habituaram a enviar materiais aos alunos de forma online, tudo fica bem mais fácil, não acha? É possível disponibilizar todos os conteúdos aos estudantes de maneira organizada, categorizada por disciplina, um dia antes da aula. No dia seguinte a escola estará repleta de mentes pensantes prontas a debater, questionar, argumentar e fazer o conhecimento acontecer!

 

Provas online

 

No ensino regular as provas online foram uma novidade durante a pandemia. Tudo que é novo sempre traz aprendizados, e hoje as escolas estão percebendo que a maneira de utilizar esse recurso é diferente da do uso presencial. As questões, por exemplo, precisam ser muito mais de reflexão do que de decoreba, pois do contrário a resposta pode ser facilmente encontrada na internet.

 

Agora que se está chegando nessa maturidade em relação à ferramenta, por que não empregá-la para determinadas avaliações em períodos normais, ou mesmo para recuperações? Se ainda restar alguma preocupação quanto a “colas”, basta supervisionar a avaliação pelas salas virtuais. Assim, não há a necessidade de o aluno se deslocar até a escola para fazer algo que pode perfeitamente realizar em casa, concorda?

 

Lousa digital

 

Agora que os professores já estão mergulhados no mundo tecnológico, não há porque deixar de utilizar as possibilidades digitais que existem por aí. Uma outra opção bem bacana para inserir a tecnologia no ensino diário é a lousa digital. Ela é praticamente uma mistura entre computador e quadro, e permite um uso bastante interativo.

 

As imagens são projetadas do notebook para o quadro, e a caneta do professor funciona ao mesmo tempo como um pincel atômico para escrever e como um mouse para movimentar os elementos. Se tudo isso poderia parecer “muita novidade” para os professores de um outro momento, agora com certeza é algo que darão mais abertura, tendo em vista a imersão digital em que estão há meses. Ou seja, o pós-pandemia será o período perfeito para seguir inovando!

 

Personalização do ensino

 

Na pandemia vimos muitos temas que já eram bastante discutidos no segmento educacional sendo postos em prática para aproveitar este momento oportuno de testes e experimentações. A personalização do ensino – que parte do entendimento de que as pessoas não aprendem todas da mesma forma – foi um deles.

 

A aplicação desse ensino mais personalizado ainda engatinha, mas no pós-pandemia pode começar a andar e depois a correr, pois agora está acontecendo uma “abertura coletiva das mentes”. Essa personalização geralmente é apoiada em ferramentas tecnológicas

 

Há várias opções. Já existem softwares, por exemplo, que permitem a identificação de habilidades e dificuldades durante a execução de exercícios. Com base no resultado, o programa define quais atividades cada aluno deverá fazer no dia seguinte. Legal né? Fica aí a ideia para o seu radar!

 

Recebimento virtual dos trabalhos e controle de entrega

 

Sabe aquele dia de entrega de trabalho em que o professor fica com a mesa cheia de papel ou com a caixa de entrada do e-mail lotada? Isso certamente ficará para trás no pós-pandemia. Na quarentena as escolas aprenderam que tecnologias específicas para o ensino ajudam muito, deixando tudo mais organizado e eficiente.

 

Além de o professor receber os trabalhos de forma digital, ele é capaz de acompanhar toda a entrega da turma em tempo real, conseguindo visualizar quem já entregou e quem ainda está faltando entregar. Dá até para enviar avisos para os “atrasadinhos”. Viu… tecnologia no ensino é vida!

 

Como a ClipEscola pode te ajudar no pós-pandemia

 

Se você acompanha este blog, sabe que a ClipEscola tem muitos recursos que estão ajudando as escolas atualmente no ensino remoto e que as ajudarão em breve no ensino híbrido, certo? No pós-pandemia nós continuaremos ajudando as instituições a aproveitar cada vez mais o uso da tecnologia no ensino.

 

Veja só algumas das possibilidades da ClipEscola:

 

  • Transmissão de aulas ao vivo (perfeitas para as aulas de reforço!)

 

  • Envio de materiais de forma categorizada por disciplina (ótima opção para usar com o método de sala de aula invertida)

 

  • Provas online por meio de formulários que podem ser personalizados (use-as para criar questões com respostas bem elaboradas, que não podem ser encontradas na internet)

 

  • Recebimento de trabalhos e controle de quem já entregou (vai facilitar muito a vida do professor!)

 

Além dos recursos voltados ao ensino que podem ser usados no pós-pandemia, a ClipEscola possui diversas funcionalidades para necessidades como comunicação escolar, comunicação interna, matrículas e rematrículas, recebimentos e marketing. Solicite mais informações por aqui.

 

Leia mais
– Legados da pandemia para escolas: heranças benéficas que emergem do caos
– EaD: experiência atual e o desenvolvimento de habilidades essenciais para o futuro

 

Como você viu, há várias formas de continuar inserindo a tecnologia no ensino mesmo depois que tudo passar e a pandemia for uma realidade distante. Não deixe “a peteca cair”. Inove sempre!

 

CTA - Volta às aulas com a ClipEscola

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.