Skip to content
Distanciamento social

COMPARTILHE

17 de julho - 2020

Distanciamento social: como viabilizá-lo em sala de aula com a divisão da turma em grupos híbridos

Tempo estimado de leitura: 9 minutos (1736 palavras, 9909 caracteres)

Distanciamento social. A medida está entre as poucas certezas do cenário ainda nebuloso de volta às aulas no Brasil. Municípios e estados farão as próprias regras para o retorno, mas tomando como base a experiência de outras escolas que já reabriram ao redor do mundo, o distanciamento social é o grande pilar de sustentação de um plano de volta às aulas mais seguro. Entenda tudo sobre o assunto no post de hoje!

 

O que é distanciamento social?

 

Distanciamento social é uma medida que visa o afastamento entre duas ou mais pessoas com o intuito de evitar a propagação de doenças. O termo tem sido muito empregado no momento atual de pandemia de Covid-19, pois a transmissão se dá por contato com secreções como gotículas de saliva, espirro, tosse e catarro. 

 

A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde do Brasil é de que o distanciamento social mínimo seja de 1 metro. Muitos cientistas porém, recomendam a distância mínima de 2 metros. Diante da incerteza, o melhor é pecar pelo excesso. Outras medidas que podem ser adotadas de forma conjunta à medida do distanciamento social são: uso de máscaras; higienização das mãos com álcool em gel 70% ou com água e sabão e etiqueta respiratória.

 

Como viabilizar o distanciamento social na escola?

 

Em geral, as escolas que já retomaram as aulas em outros países estão adotando um distanciamento social entre 1,5 e 2 metros. É provável que as regras estaduais e municipais para o retorno no Brasil também sigam na mesma linha. Diante dessa informação, talvez você esteja fazendo cálculos matemáticos e tentando descobrir como é possível manter esse distanciamento dentro de uma sala de aula que, muitas vezes, chega a comportar turmas de 40 alunos.

 

A conclusão que você chegará ao final desses cálculos é de que a matemática não bate. E não para por aí. Além da impossibilidade de manter o distanciamento social em aula, há também a questão dos espaços comuns da escola. Como resolver uma equação que não bate de forma alguma? 

 

Vamos ver caso a caso:

 

Distanciamento social em sala de aula

 

Se a sua escola possui turmas de 10, 15 alunos, talvez você consiga resolver facilmente a questão do distanciamento social em sala de aula, dependendo da metragem dos espaços. Mas se esse não é o seu caso, então a divisão da turma em grupos híbridos é a única opção viável para realizar esse distanciamento.

 

Funciona assim: a turma é dividida em dois ou três grupos, dependendo da quantidade de alunos. Esses grupos se alternam durante a semana em aulas presenciais e a distância. Dessa forma, a quantidade de estudantes dentro da sala de aula fica reduzida e o distanciamento social de 1,5 a 2 metros se torna possível.

 

Talvez uma nova preocupação que tenha surgido na sua mente ao ler o parágrafo acima seja: “mas como fica a carga horária do professor, que terá que dar aulas presenciais e a distância???”. Calma, a ideia das aulas híbridas não é de que o professor tenha que trabalhar em dobro. É possível realizar aulas presenciais e a distância simultaneamente, e para o mesmo número de alunos da turma!

 

Vou te ajudar a desenhar a imagem mental do cenário. O professor ministra a aula presencial para o grupo de alunos que está na escola, e em algum lugar da sala há um notebook ou celular transmitindo tudo ao grupo de alunos que está em casa. Captou? As aulas presenciais e a distância ocorrem dentro do mesmo espaço de tempo. Outra opção é filmar a aula presencial e posteriormente enviá-la a esse segundo grupo de alunos.

 


Distanciamento social em áreas comuns

 

Chegamos ao segundo ponto de atenção com relação ao distanciamento social na escola: as áreas comuns. Como viabilizar o distanciamento social em corredores, cantina, banheiros e demais espaços de uso coletivo da instituição?

 

A divisão das turmas em grupos híbridos já contribuirá bastante com essa tarefa, pois reduzirá muito a quantidade de alunos presentes na escola. Porém, não é o suficiente. Algumas outras medidas que já foram adotadas em outros países e que podem ajudar no distanciamento social em áreas comuns são:

 

  • Fechamento da cantina (os alunos trazem a comida de casa e lancham dentro da sala de aula, local em que o distanciamento social já está demarcado);

 

  • Uso de fitas no chão na cantina, demarcando o distanciamento social na fila entre um aluno e outro;

 

  • Demarcação de bancos do refeitório que não podem ser utilizados, para manter o distanciamento social entre os alunos sentados;

 

  • Intervalos em horários alternados;

 

  • Uso dos sanitários pelos alunos em horários predeterminados, para evitar que muitos o utilizem ao mesmo tempo;

 

  • Interdição do bebedouro (os alunos trazem a própria garrafa d’água de casa);

 

  • Saída escalonada

 

O que mais é possível fazer

 

Além de tudo o que já foi citado, a escola também pode tomar algumas medidas extras para diminuir a quantidade de alunos nas dependências da instituição e para tranquilizar as famílias quanto à volta:

 

  • Retorno voluntário

 

Mesmo quando a volta às aulas for liberada e a escola tomar todas as precauções, algumas famílias não irão querer que os filhos retornem. O ideal é que a instituição deixe essa volta como opcional às famílias. Isso irá tranquilizá-las, trazê-las para o lado da escola e evitará que tomem decisões extremas, como a retirada do filho da instituição para colocá-lo em outra mais flexível quanto a isso.

 

Para esses alunos, as aulas continuariam ocorrendo totalmente a distância. Eles assistiriam às transmissões feitas diretamente da sala de aula, assim como os estudantes dos grupos híbridos. A diferença é que para eles não haveria o revezamento entre escola e casa.

 

  • Níveis de ensino em períodos diferentes

 

Outra prática que pode ser aplicada pela escola e que a ajudará a diminuir a quantidade de alunos circulando pela estrutura da instituição ao mesmo tempo é colocar uma parte dos níveis de ensino no período matutino e uma parte no vespertino. Caso a escola só trabalhe com ensino fundamental e médio, por exemplo, cada um deles teria um período só seu. Caso haja também o ensino infantil, ele teria que dividir um dos períodos junto com outro nível de ensino.

 

Como a tecnologia pode ajudar neste momento

 

Aulas

 

A tecnologia é um recurso vital para a manutenção do distanciamento social na escola. As aulas híbridas – que possibilitam que as turmas presenciais sejam reduzidas – são estruturadas em ferramentas digitais. Além das aulas em si, toda a parte de envio de materiais e aplicação de provas para os grupos de alunos remotos se faz por meio de recursos digitais.

 

Para que tudo fique bem organizado, o ideal é que cada disciplina possa ter uma categoria específica dentro da plataforma utilizada pela escola. Assim o professor poderá inclusive disponibilizar materiais complementares que poderão ser acessados facilmente pelos alunos.

 

Monitoramento da saúde do aluno 

 

É possível também utilizar a tecnologia para monitorar a saúde dos estudantes. Basta criar formulários e enviá-los aos pais diariamente para que eles preencham informações como:

 

  • Temperatura do aluno
  • Tosse seca (Sim/Não)
  • Coriza (Sim/Não)
  • Dor de garganta (Sim/Não)
  • Cansaço incomum (Sim/Não)
  • Dificuldade para respirar ou falta de ar (Sim/Não)
  • Dor ou pressão no peito (Sim/Não)
  • Perda de fala ou movimento (Sim/Não)

 

A escola receberá as informações imediatamente, e com base nelas poderá dizer aos pais se o estudante deve ou não ir à escola. Poderá também instruí-los a procurar atendimento médico, caso o formulário aponte que o aluno tem sintomas do Coronavírus.

 

Distanciamento social na hora da saída

 

A tecnologia também viabiliza o distanciamento social na hora da saída. Há recursos que permitem o monitoramento da aproximação dos pais da escola por meio de uma sincronização com o GPS do celular. Os estudantes então só precisam ser liberados quando os pais deles já estiverem chegando no portão da escola. Dessa forma, os alunos podem sair aos poucos, e não todos de uma vez.

 

Onde encontrar esses recursos?

 

Todos os recursos digitais que citamos no tópico acima estão presentes na ClipEscola – Plataforma de Transformação Digital M3I. A solução possui funcionalidades para todas as necessidades de aulas híbridas, para a comunicação escolar e muito mais. Veja alguns dos recursos disponíveis:

 

  • Sala de aula virtual – para transmissões de aulas ao vivo

 

  • Diário do professor – permite o envio de materiais, inclusive aulas gravadas

 

  • Formulários – possibilita a criação de provas, exercícios e também de formulários para o monitoramento da saúde dos estudantes

 

  • Clips – permite a comunicação com pais e alunos por meio de recados digitais

 

  • Estou Chegando – monitora a aproximação dos pais da escola, para que o aluno seja liberado só no momento em que os responsáveis já estiverem bem próximos 

 

Além dos recursos citados, há muitos outros. Para saber mais, solicite contato por aqui.

 

Leia mais
– Volta às aulas presenciais: medidas de higiene e cuidados necessários
– Ensino híbrido: a nova cara da educação após a pandemia

 

Espero ter te ajudado com o seu planejamento de volta às aulas! Agora você já sabe como é possível organizar o distanciamento social na sua escola. Para tudo o que precisar, conte com a gente!

 

CTA - Volta às aulas com a ClipEscola

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.