fbpx Skip to content
Itinerarios Formativos - Novo Ensino Medio

COMPARTILHE

05 de novembro - 2021

Itinerários Formativos do Novo Ensino Médio: tudo o que você precisa saber sobre eles!

Tempo estimado de leitura: 11 minutos (2054 palavras, 12325 caracteres)

A reforma do ensino médio apresenta grandes desafios para as escolas. As mudanças são profundas, e uma das principais é a inclusão de itinerários formativos que podem ser escolhidos pelos alunos para o aprofundamento dos estudos em determinada área. Hoje daremos um foco especial nesse assunto, e você sairá daqui sabendo tudinho sobre ele! Me acompanha na leitura?

 

O que são itinerários formativos?

 

Itinerários formativos são a parte flexível do currículo no Novo Ensino Médio. Eles são compostos por até cinco áreas que podem ser escolhidas pelos estudantes – conforme o projeto de vida deles – para um aprofundamento nos estudos. As atividades dos itinerários têm uma característica mais “mão na massa”, podendo ser trabalhadas na forma de projetos, oficinas, núcleos de estudo e situações práticas do mundo do trabalho.

 

Como você deve lembrar, com a reforma, a carga horária total do Novo Ensino Médio (itinerários + conteúdos de formação básica) sobe para 3 mil horas até 2022. Desse total, no mínimo 1.200 horas devem corresponder aos itinerários formativos, que já podem ser cursados desde o início do ensino médio.

 

Quais são os itinerários formativos?

 

Você já viu que no Novo Ensino Médio, uma parte dos estudos se desdobra em até cinco caminhos, certo? Esses cinco caminhos podem ser agrupados de três formas: áreas do conhecimento; formação técnica e profissional; e integrado. Vamos ver como fica:

 

1. Áreas do Conhecimento

 

Quatro dos cinco itinerários possíveis correspondem a áreas do conhecimento. São as mesmas áreas que já fazem parte da formação básica no Novo Ensino Médio, porém, nos itinerários, os alunos podem se aprofundar mais na que escolheram. São elas:

 

  • Linguagens e suas Tecnologias
  • Matemática e suas Tecnologias
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias
  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

 

2. Formação Técnica e Profissional

 

O quinto itinerário é a formação técnica e profissional, e está nesse segundo “guarda-chuva”. Ele pode desdobrar-se de três formas, veja:

 

  • Formação técnica e profissional 

 

–  Qualificação profissional: formação inicial e continuada relacionada a perfil profissional listado no Catálogo Brasileiro de Ocupações (CBO)

 

– Formações experimentais: formação profissional sem reconhecimento formal, mas que tem prazo de 6 meses a 5 anos para inclusão no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT)

 

– Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio: formação profissional reconhecida em curso listado no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos (CNCT)

 

3. Integrado

 

Talvez essa terceira divisão te deixe um pouco confuso. Afinal, eram cinco itinerários formativos, e quatro deles já correspondiam à primeira divisão, e o quinto, à segunda. O que será então o tal “integrado”? Já vou te explicar!

 

Integrado é quando a escola decide trabalhar com os itinerários formativos fazendo um “mix”. Nesse caso, é possível mesclar mais de uma área do conhecimento, ou ainda, uma área do conhecimento e a formação técnica e profissional. Interessante né?

 

A escola precisa oferecer todos os itinerários formativos?

 

Não, a sua escola não é obrigada a oferecer os cinco itinerários formativos. Conforme o Ministério da Educação (MEC), as instituições têm autonomia para decidir quais os itinerários formativos que irão oferecer, considerando um processo que envolva a participação de toda a comunidade escolar.

 

É claro que, quanto mais opções de itinerários a sua escola ofertar, mais chances o aluno terá de encontrar um caminho que esteja alinhado com o projeto de vida dele. Porém, não há nada que determine a obrigação de disponibilizar mais de dois itinerários formativos.

 

Os itinerários formativos podem ser realizados na modalidade EaD?

 

Falamos mais acima que a carga horária total do Novo Ensino Médio será de 3 mil horas até 2022, tá lembrado? Uma parte dela poderá SIM ser realizada de forma remota. Ótima notícia hein?!

 

As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio dizem que essa parte, preferencialmente, deve corresponder aos itinerários formativos. Porém, “preferencialmente” não é “obrigatoriamente”, certo? Então, se a escola quiser, ela pode também colocar em EaD uma parte dos conteúdos da formação básica.

 

Agora vamos conferir o quanto da carga horária pode ser realizada em EaD. Veja:

 

  • 20% – para ensino médio matutino

 

  • 30% – para ensino médio noturno

 

  • 80% – para a Educação de Jovens e Adultos (EJA)

 

Viu que legal? Assim fica até mais fácil oferecer uma quantidade maior de itinerários formativos, né? Ajuda bastante na logística de espaços. Então #FICAADICA.

 

Quais são os eixos estruturantes dos itinerários formativos?

 

Há um outro ponto muito importante sobre os itinerários formativos que você deve dominar: os eixos estruturantes. Eles foram publicados pelo MEC no Diário Oficial da União em 2019, e detalham os pilares que devem ser trabalhados em cada itinerário.

 

São eles:

 

  • Investigação científica

 

Aqui é trabalhada a capacidade de investigação e compreensão da realidade, usando práticas e produções científicas para valorizar e aplicar o conhecimento sistematizado. Entende-se que, para os alunos participarem da sociedade da informação, eles precisam se apropriar de conhecimentos e habilidades que lhes permitam entender os mais diversos assuntos, podendo, com isso, refletir e intervir na realidade.

 

Para isso, os estudantes devem participar de uma pesquisa científica. Ela compreende etapas como: identificação de uma dúvida, questão ou problema; levantamento, formulação e teste de hipóteses; seleção de informações e de fontes confiáveis; interpretação de dados; elaboração e uso ético das informações coletadas; identificação de forma de aplicação dos conhecimentos gerados para solucionar os problemas; e a comunicação de conclusões com a utilização de diferentes linguagens.

 

  • Processos criativos

 

Já nesse eixo estruturante, as práticas têm como foco a expansão da capacidade dos alunos de idealizar e realizar projetos criativos. Assim, eles poderão usar esses conhecimentos e habilidades para propor, inventar e inovar em uma sociedade que é cada vez mais pautada na criatividade e na inovação.

 

Para trabalhar com esse eixo, os itinerários formativos devem realizar projetos criativos que integrem diferentes linguagens; manifestações sensoriais, vivências culturais, artísticas e midiáticas; e ciências aplicadas. A ideia é que o projeto resulte em um protótipo, produto, modelo ou solução criativa, como por exemplo peças de comunicação, jogos, robôs, espetáculos, circuitos, produtos físicos ou digitais, etc.

 

  • Mediação e intervenção sociocultural

 

Chegamos ao terceiro eixo estruturante, e o objetivo aqui é ampliar a capacidade dos alunos de aplicar os conhecimentos para a realização de projetos que contribuam com a sociedade e com o meio ambiente. Entende-se que os estudantes precisam ser preparados para atuar como agentes de mudança em uma sociedade cada vez mais desafiada por questões socioculturais e ambientais, e que assim, possam ajudar construí-la de forma mais ética, justa, democrática, inclusiva, solidária e sustentável.

 

Os itinerários formativos, para trabalhar com as questões desse eixo, devem realizar projetos de mobilização e intervenção sociocultural e ambiental que resultem em transformações positivas na comunidade. Para isso, há etapas como: diagnóstico; aprofundamento de conhecimentos sobre o problema; planejamento; execução e avaliação de ação que atenda às necessidades do contexto; superação de situações de estranheza, resistência, conflitos interculturais, etc.; e possíveis ajustes de rota.

 

  • Empreendedorismo

 

Finalizando os eixos estruturantes dos itinerários formativos está ele: o empreendedorismo! Aqui o foco é expandir a capacidade dos alunos de mobilização de conhecimentos de diferentes áreas para empreender projetos pessoais ou produtivos alinhados ao projeto de vida deles. Dessa forma, estudantes estariam mais preparados para o Mundo VUCA, sendo capazes de se adaptar a diferentes contextos e criando oportunidades para si e para os outros.

 

Nos itinerários, esse eixo deve ser trabalhado na forma de empreendimentos pessoais ou produtivos criados pelos estudantes de acordo com o projeto de vida deles, fortalecendo suas atuações como protagonistas da própria história. Nesse processo, há etapas como: identificação de potenciais e interesses; análise do contexto externo, incluindo mercado de trabalho; elaboração de projeto; realização de ações-piloto; testagem; aprimoramento.

 

O professor precisa ter licenciatura para ministrar os itinerários formativos?

 

Bastante coisa para absorver até aqui, hein? Agora… vamos a uma questão polêmica! Professor precisa ou não ter licenciatura para ministrar os itinerários formativos do Novo Ensino Médio? ThaNaNaNaN… SIM… e NÃO.

 

“Como assim???”, você me pergunta. Vou te explicar. Para ministrar os itinerários formativos das quatro áreas do conhecimento, a licenciatura é obrigatória. Porém, para ministrar o itinerário de formação técnica e profissional, não existe essa exigência. É preciso apenas que o profissional tenha “notório saber” na área que lecionará. Dessa forma, um engenheiro poderia dar aulas em um curso de edificações, por exemplo.

 

Como a ClipEscola pode ajudar com os itinerários formativos

 

Você sabe que sempre, sempre, sempre pode contar com a Clip, não é? Na questão dos itinerários formativos, mais uma vez, nós podemos te ajudar! Aposto que você até já adivinhou qual é a parte em que nós entramos nisso, mas vou dizer assim mesmo: EaD.

 

Como já falamos, uma parte da carga horária do Novo Ensino Médio – preferencialmente a dos itinerários formativos – pode ser ministrada de forma remota. E você também sabe que usar essa possibilidade te ajuda bastante com a logística de espaços, já que aulas remotas não requerem, necessariamente, salas de aula físicas. Ou seja, com EaD, fica até mais fácil oferecer os cinco itinerários! Então… temos tudo o que você precisa para isso!

 

A nossa Plataforma de Transformação Digital possui um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) bem completinho. Ele permite:

 

  • Aulas com transmissão ao vivo; 
  • Interações por voz ou por chat;
  • Envio de aulas gravadas;
  • Envio de materiais em diversos formatos de forma categorizada por disciplina;
  • Armazenamento em nuvem;
  • Recebimento de tarefas e trabalhos com controle automático de entrega;
  • Provas com perguntas abertas e/ou fechadas;
  • Tira-dúvidas;
  • Fóruns;
  • Grupos moderados só de alunos.

 

Percebeu que aulas remotas em um ambiente assim podem ser feitas com toda a qualidade né? E além do nosso AVA, temos outros módulos que podem te ajudar bastante com os desafios do Novo Ensino Médio, como a Agenda Digital e o Módulo de Comunicação Interna

 

Como você deve saber, com o aumento da carga horária do ensino médio, o vínculo entre escola, alunos e pais se ampliará, então, uma boa comunicação escolar faz toda a diferença nesse cenário. Além disso, com parte das aulas ocorrendo por EaD, os professores que as ministrarão poderão trabalhar em home office, o que evidencia a necessidade de uma boa comunicação interna. Então, conte com a Clip para isso também! Solicite mais informações por aqui.

 

Leia mais
– Novo Ensino Médio: o EaD como solução para o aumento da carga horária
– ClipEscola e Novo Ensino Médio: como podemos te ajudar nesse desafio

 

Aposto que agora você já está tirando de letra o que são os itinerários formativos, não é? Se precisar de ajuda para implementá-los, já sabe, pode contar com a Clip!

 

CTA - Infográfico - Sala de Aula Virtual ClipEscola

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.