fbpx Skip to content
Reforma do Ensino Médio

COMPARTILHE

30 de julho - 2021

Reforma do Ensino Médio: o ensino remoto como solução para o aumento da carga horária

Tempo estimado de leitura: 9 minutos (1794 palavras, 10367 caracteres)

Uma das maiores dores das escolas com relação à reforma do ensino médio é o aumento da carga horária. Até 2022, as instituições precisarão aumentá-la nesse nível de ensino de 800 horas anuais para 1 mil. Depois, gradualmente, essa ampliação deverá chegar a 1.400 horas anuais. Isso significa que todas as escolas, aos poucos, acabarão se tornando de período integral. Há, porém, um fator que fará total diferença nesse cenário: é permitido que uma parte dessa carga horária seja oferecida de forma remota!

 

Se você não sabia sobre o que acabou de ler, imagino o seu alívio quando o parágrafo chegou na frase final. É claro que ainda assim, a mudança não é pequena, mas as coisas ficam imensamente mais suaves com a tecnologia na jogada, não é mesmo?

 

Em um artigo anterior do nosso blog, nós já falamos sobre a reforma do ensino médio em um âmbito geral. Hoje, porém, o foco total será na questão do aumento da carga horária e na grande contribuição do ensino remoto para a adequação das escolas.

 

Vamos lá?

 

Como ficará dividida a carga horária com relação a conteúdos?

 

Como falamos no início deste artigo, a carga horária vai aumentar com a reforma do ensino médio. No total serão 3 mil horas (1 mil por ano) até 2022 e depois 4.200 (1.400 por ano). Esse tempo será dividido da seguinte maneira:

 

  • Base Nacional Comum Curricular (BNCC) – os conteúdos da BNCC não poderão ultrapassar 1.800 horas do tempo total do ensino médio.

 

  • Itinerários Formativos – os itinerários formativos deverão ter, no mínimo, 1.200 horas do tempo total do ensino médio.

 

A distribuição disso ao longo dos três anos do novo ensino médio poderá ser realizada de diferentes formas, mas as cargas horárias mínimas e máximas deverão ser respeitadas, viu?

 

Quanto da carga horária poderá ser oferecida de forma remota?

 

Agora vamos responder ao que você tanto quer saber! As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio oficializam o EaD no novo ensino médio, desde que seja usado dentro dos seguintes limites:

 

  • Ensino médio matutino – 20% da carga horária total de aula poderá ser a distância, preferencialmente (mas não obrigatoriamente) para itinerários formativos.

 

  • Ensino médio noturno – 30% da carga horária total de aula poderá ser a distância, preferencialmente (mas não obrigatoriamente) para itinerários formativos.

 

  • Educação de Jovens e Adultos (EJA) – 80% da carga horária total de aula poderá ser a distância, tanto para conteúdos gerais da BNCC quanto para itinerários formativos.

 

Nos três casos, o documento faz uma ressalva para a permissão do uso do EaD: é preciso que haja suporte tecnológico e pedagógico apropriado. Ou seja, se a escola não puder se comprometer com isso, o ensino remoto está descartado.

 

Como isso ajuda com a questão do aumento da carga horária?

 

Agora você já sabe que dá para usar EaD de forma oficial com a reforma do ensino médio. O que talvez ainda não tenha ficado claro é como isso, de fato, ajuda com o desafio do aumento da carga horária. Era nisso que você estava pensando? Confira então:

 

  • Investimento em salas de aula virtuais em vez de reformas físicas

 

Muitas escolas não têm estrutura física para se adequar à reforma do ensino médio. Afinal, na parte de itinerários formativos, uma mesma turma se dividirá em cinco, que é o número de itinerários previstos. Além disso, os estudantes que desejarem poderão cursar mais de um itinerário, seja de forma simultânea ou sequencial. 

 

Agora, tendo tudo isso em mente, pense no número de turmas e alunos que a sua escola tem. Avalie a quantidade de combinações diferentes de turmas e aulas simultâneas que podem ser necessárias para oferecer esses itinerários formativos. Analisou? E então, a sua instituição de ensino tem estrutura física para tudo isso?

 

Se não tem, existem dois caminhos: reformas físicas ou investimento em salas de aula virtuais. O que será que tem um custo menor e é mais prático e rápido de implementar? Não há dúvida de que são as salas de aulas virtuais, não é mesmo? Esse é o primeiro ponto em que o uso de EaD ajuda as escolas nos desafios da reforma do ensino médio!

 

  • Facilidade na contratação de professores

 

Talvez a sua instituição perceba que, com o novo ensino médio, haverá a necessidade de contratação de mais professores. Os atuais podem não ser o suficiente para cobrir toda a carga horária extra, não é mesmo? Essa é outra grande vantagem de optar pelo ensino remoto na implementação da reforma.

 

Vou te explicar. Contratar professores com todas as formações necessárias nem sempre é uma tarefa fácil. Para algumas regiões, o grau de dificuldade pode ser ainda maior, pois em localidades com pouca oferta de faculdades, naturalmente, haverá menos profissionais formados. Há sempre também a concorrência entre escolas para a contratação dos melhores profissionais disponíveis. Mas, e se você ampliar o leque de contratações para todo o Brasil?

 

Sim, se o ensino for remoto, isso é possível, pois a aula também poderá ser transmitida de qualquer lugar, entendeu? Assim, para a parte de EaD, você pode recrutar professores de qualquer estado, e terá então muito mais possibilidades. Além disso, poderá também ser muito mais criterioso na seleção, já que a oferta de candidatos será maior. Olha, não sei você, mas eu só vi vantagens!

 

  • Facilidades de recursos para implementar exigências da reforma do ensino médio

 

Você sabe que um dos princípios do novo ensino médio é o protagonismo do aluno, não é? As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio deixam bem claro no Art. 6, inciso I, que “formação integral: é o desenvolvimento intencional dos aspectos físicos, cognitivos e socioemocionais do estudante por meio de processos educativos significativos que promovam a autonomia, o comportamento cidadão e o protagonismo na construção de seu projeto de vida” (grifo nosso).

 

Promover o protagonismo do aluno é algo que deve ser buscado no ensino como um todo. No entanto, o meio online facilita esse processo, e as escolas sentiram muito isso na pandemia. Por estarem em casa, os estudantes se sentem mais à vontade para “soltar a voz”. Aquele constrangimento de todos te olhando quando você fala é bastante minimizado quando não se tem ninguém ao redor. 

 

Além disso, existe a troca constante de ideias entre os alunos em fóruns, algo que faz total diferença para os mais tímidos, que costumam ficar calados em sala de aula. Nesses espaços, os estudantes podem trocar experiências e compartilhar expectativas sobre o projeto de vida que pretendem traçar.

 

Relativo ao assunto deste tópico, também é válido ressaltar que a BNCC está contemplada na reforma do ensino médio, e que a quinta competência da base é justamente a cultura digital. Fica muito mais fácil de a escola promovê-la se parte do ensino ocorrer de maneira online, não é mesmo?

 

O que é preciso para usar EaD no novo ensino médio?

 

Você percebeu como usar essa alternativa de aulas remotas é algo que pode te ajudar muito nos desafios da reforma do ensino médio, não é mesmo? Agora vamos falar sobre o que é preciso para, de fato, poder usar essa possibilidade.

 

O texto das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio deixa bem claro que, para oferecer uma parte da carga horária a distância, é preciso que haja suporte tecnológico e pedagógico para isso. Ou seja, essa parte do ensino precisa ser consistente e oferecer tanta qualidade quanto a presencial.

 

O ideal é que a escola utilize uma plataforma que contemple todas as necessidades do ensino remoto. Afinal, recursos genéricos quebram um galho em momentos de urgência, mas eles não são a melhor alternativa para a oferta de um ensino bem estruturado.

 

É importante que a escola também faça um levantamento com os professores que ministrarão essas aulas online para saber se eles têm tudo o que precisam para isso, ou se é necessário oferecer a eles alguma infraestrutura adicional. Também é essencial disponibilizar treinamentos para aulas no formato EaD, para assim garantir a máxima qualidade.

 

Como a ClipEscola pode ajudar?

 

Nós da ClipEscola desenvolvemos a Plataforma de Transformação Digital M3I. Entre suas funcionalidades está um Ambiente Virtual de Aprendizagem totalmente equipado para qualquer necessidade de ensino remoto ou híbrido. Veja o que ele contempla:

 

  • Transmissões ao vivo por salas de aula virtuais com interações por voz ou por chat e compartilhamento da tela do professor 

 

  • Envio de aulas gravadas sem consumir memória do celular do aluno 

 

  • Envio de materiais de forma categorizada por disciplina

 

  • Avaliações online com opção de perguntas abertas ou fechadas 

 

  • Recebimento de trabalhos e controle automático de entregas 

 

  • Comunicação com os alunos para tira-dúvidas via agenda digital 

 

  • Grupos moderados só de alunos 

 

  • Fóruns para a troca de experiências

 

Além disso, a plataforma possui funcionalidades que ajudam a escola em muitas outras questões, como comunicação escolar, comunicação interna, matrículas e rematrículas, gestão de recebimentos e cobranças e muito mais!

 

Os colaboradores da instituição de ensino também recebem treinamento e suporte para uso da plataforma, que por si só já é bastante intuitiva. Além disso, disponibilizamos um ambiente de EaD que fica à disposição deles permanentemente, podendo ser consultado sempre que surgir qualquer dúvida! Para obter mais informações, solicite contato por aqui.

 

Leia mais
– Ensino Médio: entenda o que muda com a reforma
– Sala Virtual ClipEscola: desvende todas as possibilidades que ela oferece ao ensino

 

Você viu como o EaD é uma boa alternativa para as escolas na implementação das mudanças exigidas pela reforma do ensino médio? Conte com a gente para o que precisar!

 

CTA_Ebook - Cultura Digital: 5ª Competência da BNCC nas Escolas

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.