fbpx Skip to content
Aprendizagem colaborativa

COMPARTILHE

21 de junho - 2021

Aprendizagem colaborativa: o que é e como a tecnologia pode ajudar a fomentá-la

Tempo estimado de leitura: 9 minutos (1584 palavras, 9639 caracteres)

Antigamente a aprendizagem seguia um caminho reto: do professor para o aluno, e ponto final. Ao menos, era nisso que se acreditava. O estudante era visto como um invólucro vazio que ia para a escola para ser “abastecido” com informações. Acontece que hoje já se sabe que o conhecimento não segue exatamente esse caminho que se definiu para ele. As informações, experiências e saberes nos atravessam no dia a dia. Todo mundo sempre tem algo a agregar a alguém, até mesmo as crianças. É nesse contexto que entra em cena a aprendizagem colaborativa.

 

O que é a aprendizagem colaborativa?

 

A aprendizagem colaborativa é um conceito no qual há o entendimento de que os alunos são capazes de aprender uns com os outros, e não somente com o professor. Essa nova visão valoriza as experiências que os estudantes já trazem na bagagem para a escola, e permite que ela seja usada na construção do conhecimento de forma conjunta com os colegas e com o educador, que passa então a assumir um papel de mediador.

 

A aprendizagem colaborativa é um pilar fundamental dos métodos ativos de aprendizagem, e o próprio conceito, muitas vezes, é visto como uma metodologia. Essa visão é aderente com as transformações pelas quais o ensino está passando no século XXI, e com os conceitos de Educação 4.0 e 5.0.

 

Quais os benefícios da aprendizagem colaborativa?

 

Você certamente está curioso para saber quais os benefícios que a aprendizagem colaborativa pode trazer, não é? Então confira alguns deles:

 

  • Engajamento dos alunos com os conteúdos

 

A aprendizagem colaborativa traz um “senso de pertencimento” ao aluno. Ele sente que faz parte do processo, que tem algo a contribuir, que ele não está ali só para receber informação, mas também para transmiti-la, em um processo de troca contínua. Esse espaço para o protagonismo, para o “sentir-se útil”, é algo extremamente poderoso, capaz de acionar mecanismos de satisfação e realização no estudante. Dessa forma, o engajamento dele com os conteúdos é um resultado natural.

 

  • Melhora da aprendizagem

 

Na aprendizagem colaborativa, as informações são discutidas entre os colegas, que conseguem exemplificá-las dentro de contextos que fazem sentido para eles, que são parte do universo da geração deles. Essa contextualização faz diferença para a aprendizagem, pois o estudante consegue visualizar os conceitos com aplicações em sua própria realidade. Além disso, quando os alunos ensinam uns para os outros, eles também estão aprendendo enquanto ensinam. Conforme a pirâmide de aprendizagem de Willian Glasser, o aprendizado dessa maneira chega a 95%.

 


  • Desenvolvimento do pensamento crítico

 

Alguns elementos comuns na aprendizagem colaborativa são debates com a turma e discussões em grupo. Com isso, o aluno aprende não só a obter respostas, mas também a fazer perguntas. Ele aprende a questionar, a argumentar, a buscar diferentes pontos de vista. Assim, começa a desenvolver o pensamento crítico, o que o permite ser capaz de tomar decisões com mais discernimento e a não engolir tudo o que é apresentado a ele como verdade.

 

  • Aprimoramento de habilidades sociais

 

Quando alunos ensinam e aprendem uns com os outros, as habilidades de socialização são aprimoradas naturalmente ao longo do processo. Eles precisam aprender a lidar com as diferenças para atingir um objetivo em comum. Com isso, se tornam mais tolerantes, empáticos, comunicativos e desenvolvem espírito de equipe. Tais habilidades são essenciais para a vida em sociedade e para a carreira profissional.

 

Formas de implementar a aprendizagem colaborativa

 

Vamos ver algumas formas de trazer a aprendizagem colaborativa para o dia a dia em sala de aula? Olha só:

 

  • Projetos

 

A criação de projetos – de preferência interdisciplinares – envolvendo grupos de alunos, é uma forma bastante eficiente de colocar os estudantes na busca por um objetivo em comum. Ao longo do projeto eles se reunirão, pensarão em soluções em conjunto, pesquisarão, trocarão informações e experiências, aprenderão uns com os outros e entregarão uma solução desenvolvida de forma colaborativa.

 

  • Debates

 

Os debates em sala de aula são excelentes para fomentar a aprendizagem colaborativa. Neles, os estudantes expõem suas visões sobre o assunto, escutam os argumentos dos outros, podem elaborar contra-argumentações, e no fim, todos saem sabendo mais do que quando entraram. O conhecimento que se constrói ali é enriquecido pelas vivências de cada um.

 

  • Gamificação

 

Na gamificação, os conteúdos são aprendidos de maneira lúdica, com jogos que abordam os temas das disciplinas. Normalmente a turma é dividida em grupos, e acontecem disputas de conhecimento. Os estudantes então precisam se unir, somar esforços e compartilhar informações para tentar vencer. Independentemente do resultado, no final, a verdadeira vitória é a do aprendizado, que sai da dinâmica muito mais enriquecido.

 

  • Estações

 

Dividir a sala em estações de trabalho, cada uma abordando um aspecto da temática principal, e colocar grupos de alunos em cada uma delas, é uma outra forma de trabalhar a aprendizagem colaborativa. Nessas estações, muitas das atividades desenvolvidas incluem todo o grupo que está ali, então, os estudantes precisam se ajudar para concluir as tarefas. Assim, aprendem uns com os outros e desenvolvem espírito de equipe!

 

  • Trabalhos em grupo

 

Trabalhos em grupo, que já são velhos conhecidos das escolas, também são uma ótima forma de promover o aprendizado colaborativo. O ideal é que os alunos sejam orientados a fazer tudo juntos, e não a cada um fazer a sua parte e depois juntar tudo. É bom que os professores fiquem em cima dessa questão, pois a aprendizagem colaborativa só acontece se realmente há momentos de união, troca de ideias e planejamento conjunto.

 


 

Como a tecnologia pode ajudar na aprendizagem colaborativa

 

Agora você já sabe como colocar a aprendizagem colaborativa em prática, não é? Só está faltando eu te contar como a tecnologia pode ajudar nisso tudo. Bem, você certamente já ouviu falar em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). O que talvez não tenham te contado é que esse tipo de tecnologia não serve somente para finalidades de EaD. A escola que conta com AVA no dia a dia, mesmo em épocas normais, pode enriquecer muito a aprendizagem colaborativa. Veja alguns exemplos:

 

  • Troca de materiais entre alunos

 

Pelo Ambiente Virtual de Aprendizagem, os estudantes conseguem trocar materiais entre eles em diversos formatos. Na solução que desenvolvemos aqui na ClipEscola, por exemplo, isso é feito tanto pela funcionalidade de fóruns quanto pela de grupos monitorados só de alunos. Os estudantes não precisam nem se preocupar com o tamanho dos arquivos, pois tudo fica armazenado em nuvem, sem consumir memória do celular ou do computador. Assim, conseguem compartilhar arquivos para trabalhos, projetos ou mesmo só para agregar informação no dia a dia escolar.

 

  • Tira-dúvidas e compartilhamento de ideias

 

As funcionalidades que conversamos acima – fóruns e grupos monitorados só de alunos – não servem só para o compartilhamento de materiais, mas também para os alunos compartilharem ideias e tirarem dúvidas uns com os outros. Muitas vezes, os estudantes preferem perguntar para os colegas o que eles entenderam da explicação do que levantar a mão na aula e perguntar ao professor, não é mesmo? Isso vai totalmente ao encontro do conceito de aprendizagem colaborativa, que entende que os alunos podem sim aprender uns com os outros.

 

  • Suporte a formatos de aprendizagem colaborativa

 

Você já viu neste artigo que há várias formas de implementar a aprendizagem colaborativa, não é? O Ambiente Virtual de Aprendizagem pode dar suporte a muitas delas. Veja:

 

Projetos e demais trabalhos em grupo: a plataforma pode servir para reuniões online entre as equipes; para o professor tirar dúvidas dos estudantes pela agenda digital e também para ele controlar o status de entrega das atividades.

 

Debates: caso as aulas sejam remotas ou híbridas, os debates podem ocorrer pelas salas virtuais do Ambiente Virtual de Aprendizagem.

 

Gamificação: os jogos podem ser montados de várias maneiras. Algumas delas podem envolver as salas virtuais, os fóruns e até o envio de materiais. O AVA dá suporte a tudo isso.

 

Estações: os vídeos e demais materiais para as tarefas podem ficar disponíveis aos alunos no AVA, organizados dentro da categoria da disciplina. Assim, os professores não precisarão salvar materiais em cada computador de cada estação. Basta subir uma única vez para a plataforma, e os alunos conseguirão acessar tudo online.

 

Leia mais
– Estilo de aprendizagem: saiba como estimular seus alunos de diferentes formas
– Sala Virtual ClipEscola: desvende as possibilidades que ela oferece ao ensino

 

E aí, inspirado para colocar a aprendizagem colaborativa em prática? Se você quiser conhecer o Ambiente Virtual de Aprendizagem que dá suporte a tudo o que você viu neste artigo, basta clicar aqui.

 

CTA - Infográfico - Sala de Aula Virtual ClipEscola

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.