fbpx Skip to content
Soft Skills na Educação

COMPARTILHE

06 de agosto - 2021

Soft Skills na Educação: por que é importante desenvolvê-las em sala de aula?

Tempo estimado de leitura: 7 minutos (1295 palavras, 7808 caracteres)

Você certamente já se deparou com o termo “soft skills” em algum contexto ligado ao mundo corporativo. Acontece que as escolas já estão começando a perceber que os alunos precisam começar a desenvolver essas habilidades interpessoais antes que cheguem ao mercado de trabalho. Afinal, estamos falando de uma construção de longo prazo, e algo mais fácil de ser feito quando a personalidade ainda está em formação. Por isso, o desenvolvimento de soft skills na educação é uma forte tendência.

 

Quer entender tudo sobre isso? Então vem comigo!

 

O que são soft skills?

 

Soft skills são um conjunto de habilidades interpessoais ligadas ao comportamento e à personalidade humana. São capacidades mais subjetivas que não podem ser ensinadas, mas sim desenvolvidas por meio de vivências práticas.

 

Diferentemente das hard skills – que são conhecimentos técnicos que podem ser aprendidos e avaliados, como os conteúdos escolares – as soft skills não podem ser medidas, são competências transversais e multidisciplinares.

 

Podemos citar como soft skills, por exemplo:

 

  • Ética
  • Criatividade
  • Comunicação
  • Colaboração
  • Pensamento crítico
  • Liderança
  • Empatia
  • Adaptabilidade
  • Resiliência
  • Autocontrole
  • Foco
  • Inteligência emocional
  • Gestão do tempo
  • Proatividade
  • Negociação
  • Persuasão 
  • Tomada de decisão

 

Qual é a importância das soft skills na educação?

 

Há ao menos três bons motivos para você pensar em soft skills na educação. Veja:

 

Mercado de trabalho

 

É crucial pensar em soft skills na educação tendo em vista a carreira profissional dos estudantes no futuro. Afinal, essas são habilidades que serão requeridas dos seus alunos quando eles chegarem a um mercado de trabalho altamente tecnológico e robotizado, no qual muitas das profissões de hoje estarão obsoletas, especialmente as que estão muito ligadas às hard skills.

 

Tudo o que pode ser ensinado e avaliado também pode ser aprendido por uma máquina, mas as habilidades interpessoais não. Elas já são muito valorizadas hoje, e a tendência é que isso se acentue cada vez mais.

 

Tendo em vista esse contexto, se os estudantes deixarem para desenvolver essas soft skills apenas depois da escola ou da faculdade, poderá ser muito tarde. Não é algo fácil e rápido, para o qual um curso ou uma palestra baste. Essas skills são parte de quem a pessoa é, da personalidade e hábitos que tem.

 

O ideal é que essas habilidades comecem a ser desenvolvidas desde a infância, já no ensino infantil, quando a personalidade ainda está se formando, e sejam aprimoradas ao longo de toda a vida escolar.

 

Vida em sociedade

 

Pessoas com inabilidades interpessoais não enfrentam apenas dificuldades no trabalho, mas também na vida. O tempo todo estamos nos relacionando com outras pessoas, sejam colegas de trabalho, amigos, cônjuges, filhos, familiares, etc. As pessoas são complexas, com características, gostos, valores e temperamentos diferentes. As soft skills são extremamente importantes para lidar com as complexidades dessas relações, contribuindo para que sejam mais saudáveis e harmônicas.

 

Além disso, ao longo da vida, nós passamos por muitas mudanças, reveses e situações nas quais precisamos filtrar informações e tomar decisões que impactarão o nosso dia a dia. Um indivíduo com soft skills bem desenvolvidas está mais preparado para lidar com o mundo VUCA no qual vivemos.

 

BNCC

 

Um outro motivo para a sua escola incluir o desenvolvimento de soft skills na educação são as exigências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A base ressalta a importância de uma formação humana integral, o que inclui as soft skills. 

 

Nas competências gerais, por exemplo, aparecem habilidades como criatividade, comunicação, pensamento crítico, autonomia, negociação, ética, empatia, resolução de conflitos, resiliência e tomada de decisão. Várias soft skills são citadas também nos objetivos de aprendizagem específicos de cada nível de ensino.

 

Como você deve saber, a BNCC já está em vigor. Trata-se de uma referência nacional obrigatória, que exige que as escolas adaptem seus currículos e propostas pedagógicas a ela. Então, não esqueça de dar uma atenção especial às partes que citam as soft skills!

 

Como desenvolver soft skills na educação?

 

Ao contrário das hard skills, as softs skills na educação não podem ser simplesmente ensinadas, elas precisam ser vivenciadas, desenvolvidas por meio de convivência e experiências práticas. Por isso, a escola deve se valer de outras abordagens além da pura transmissão de conhecimentos unilateral.

 

Vamos conferir algumas formas de fazer isso? Veja:

 

  • Atividades em duplas e grupos (de preferência, nem sempre as mesmas duplas e grupos)
  • Práticas artísticas como teatro, dança, desenho, pintura e artesanato
  • Práticas esportivas, preferencialmente as coletivas
  • Debates, mesas-redondas, grupos de estudo e clube do livro
  • Projetos interdisciplinares com foco na comunidade ou em algum público real
  • Desenvolvimento de projetos conjuntos com escolas de outros países com encontros por videoconferência
  • Visitações a comunidades com diferentes culturas e realidades
  • Gamificação
  • Espaço maker
  • Design thinking
  • Atividades lúdicas em geral
  • Atividades que promovam o autoconhecimento
  • Simulações

 

Essas são apenas algumas sugestões, mas há uma infinidade de possibilidades que você pode explorar. Ajuda muito se a escola tiver incorporadas ao currículo metodologias como aprendizagem baseada em projetos (ABP), STEAM, rotação por estações, aprendizagem entre pares, flex, entre outros modelos ativos e híbridos.

 

Como a tecnologia pode ajudar?

 

As soft skills na educação ganham uma outra dimensão quando a tecnologia faz parte das rotinas pedagógicas. A gama de possibilidades para interações, colaboração, protagonismo e para própria estruturação das metodologias ativas se amplia imensamente.

 

Se a escola conta, por exemplo, com um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), fica muito mais fácil montar estações de trabalho pela sala (modelos rotação por estações e flex) e organizar etapas e trocas de informações e materiais para projetos (modelos ABP e STEAM).

 

Além disso, pelo AVA, os alunos podem, independentemente de metodologias, trocar informações em fóruns e grupos de conversa monitorados, trocar materiais, montar grupos de estudo com interações por salas virtuais, criar um clube do livro com encontros online por salas virtuais, entre outras possibilidades.

 

Resumindo, a tecnologia pode dar o suporte do qual a sua escola necessita para colocar em prática atividades e métodos que favorecem o desenvolvimento de soft skills. É uma ajuda muito bem-vinda, você não acha?

 

A boa notícia é que nós da ClipEscola podemos de dar uma mão nessa tarefa. A plataforma de transformação digital que desenvolvemos contém um ambiente virtual de aprendizagem bem completo, com todas as possibilidades que você leu aqui. Quer dar uma conferida? Veja só este material de apresentação.

 

Leia mais
– Aprendizado colaborativo: o que é e como a tecnologia pode ajudar a fomentá-lo
– Aprendizagem híbrida: online e offline juntos para uma nova experiência

 

Você viu como as soft skills na educação são importantes? E viu também que é bem viável implementar o desenvolvimento delas né? Bora colocar a mão na massa então? Conte com a gente para te ajudar com todo o suporte tecnológico!

 

CTA - Infográfico - Sala de Aula Virtual ClipEscola

AUTOR:

Graziela Balardim

A autora é Jornalista, pós-graduada em Produção Multimídia e atua na ClipEscola como Conteudista de Marketing Digital.